• Tati Gonçalves

O Layout das lojas pode aumentar as vendas?

Já parou para pensar em como você se movimenta dentro de uma loja? Ou, em como você prefere realizar seu percurso de compra? O que você busca identificar primeiro e mais valoriza no espaço na hora de comprar?

Agora transfira todas essas perguntas para o seu consumidor. Você faz ideia do que o seu cliente responderia?



Se você habita o universo do varejo e precisa pensar em estratégias para envolver seu consumidor e ainda não se fez essas perguntas, tudo bem! Vem comigo e vamos pensar juntos!

Saiba que existem tendências comuns de comportamento. Não se tratam de fórmulas absolutas a serem aplicadas para todos os segmentos e situações, mas existem similaridades comportamentais para as quais podemos olhar na hora de criar estratégias.

Vamos a algumas considerações clássicas: Colocar ao fundo da loja os itens de maior demanda para fazer o consumidor ir até eles enquanto visualiza outros produtos no caminho, o famoso pãozinho no fim da padaria. Ou, a tendência que temos de caminhar e olhar mais para o lado direito dos espaços. E ainda, imaginar um eixo a 1,60 do piso para posicionar os seus best sellers. É bom conhecer e considerar esses e outros pontos. Mas, como eu sempre digo, a melhor estratégia é a que é pensada direcionadamente para sua marca, considerando o seu público, o contexto ou entorno em que sua loja estará inserida e, principalmente, a história que você quer contar.

Vamos fazer um paralelo: imagine que você vai contar uma história em série. Você irá construir e desenvolver a ideia principal e irá também adicionar eventos secundários que vão enriquecer, dar consistência e permitir inovar constantemente sua narrativa, sem perder o foco da história principal.

A história principal é a essência da sua marca e os eventos secundários são as ações cíclicas, como as coleções alinhadas às estações do ano ou datas e promoções especiais.

Para contar essa história você vai precisar compor as partes básicas de qualquer texto: introdução, desenvolvimento e conclusão. Ou, simplificando: início, meio e fim.

Comece pensando na introdução, ou seja, na entrada da loja, na vitrine e em como recepcionar seu consumidor. Você precisa saber, ou pelo menos ter uma ideia, de quem ele é e como gostaria de ser abordado. Depois pense que, para que o próximo passo seja dado, é necessário despertar a curiosidade e manter a atenção e interação com o espaço, com sua narrativa.

Então, passando para o desenvolvimento - meio da sua história, considere que - quanto mais imersiva e acurada sua fala, maior a probabilidade de alcançar profundidade na atenção do seu consumidor. Para fazer isso seja cuidadoso com os detalhes, busque coerência e correlação entre os elementos. Como ao escrever uma frase, as palavras precisam estar relacionadas entre si e dentro do contexto para transmitirem significado.

Anseie por despertar emoção e surpresa. E por fim, faça com que o seu leitor/consumidor saia da sua loja com um registro da experiência que viveu, além do seu produto, uma memória. Certifique-se de que ficou claro que você o valoriza e, muito importante, que a sua mensagem foi percebida.

Ao pensar o layout é imprescindível a compreensão da história a ser contada para que toda a estratégia de fluxos, de posicionamento de elementos e produtos estejam pautadas e tenham fundamento em uma verdade ou conceito principal. A arquitetura deve traduzir a essência e criar suporte e recursos para as histórias secundárias.

Quando estruturamos o pensamento, a reflexão nesse sentido e transferimos esse arranjo para o layout, podemos criar um percurso a ser trilhado e organizar cada elemento, produto ou etapa dentro de uma estratégia de condução.

Saiba que a arquitetura e o VM (visual merchandising) podem, quando bem planejados, criar um ambiente com diferentes instrumentos e viabilizar uma exposição madura e atraente para o consumidor de forma organizada e direcionada. Ou seja, eles VENDEM.

Se você conseguir contar sua história de forma envolvente e fazer com que seu consumidor entre nela com você, vai conquistar a identificação, criar conexões e fazer com que seu cliente compartilhe sua verdade, ideias e valores.

A arquitetura é parte substancial dessa viagem e, acredite, é possível planejar um roteiro e obter bons resultados a partir da interação com o espaço.


Se precisar de ajuda, me escreva contando um pouco dos seus desafios e dúvidas. Vou adorar te ajudar a encontrar a estratégia de Arquitetura ideal para sua marca. Vamos juntos?


Abraços e até a próxima!

Tati Gonçalves

4 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo